quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Quando isso tudo vai acabar?

Boa tarde...

Dando uma passadinha para contar-lhes que hoje foi meu último dia no trabalho. Semana que vem faremos o acerto e resolver toda aquela burocracia de papéis.
Por um lado aliviada e por outro preocupada... mas veremos como vai ser...

Há pouco abri o facebook e claro que o primeiro post que apareceu foi uma conhecida anunciando a gravidez.............
“ aii foi meio inesperado mas serás muito bem vindo(a) filho(a)...”
Quando acho que vou me reerguer e ficar um pouquinho melhor, recebo mais um tapa na cara...
E claro que não foi só essa, sempre é uma anunciando a gravidez aqui, outra ganhando bebê ali.... e eu aqui sem nada disso... sinceramente não aguento mais isso..... quando isso vai acabar??
Me desculpem mas por hoje é isso, simplesmente escrevi esse post, sem editar nem nada, simplesmente abri o blog e despejei tudo........


Até mais.



sábado, 21 de novembro de 2015

É tão difícil ser compreendida...

Olá!

Nos últimos posts falei um pouco da minha vida, da minha infância para tentar amenizar um pouco os sentimentos de aguardante.
Mas nos últimos dias alguns acontecimentos me deixaram bem triste. Tão triste que não estava conseguindo nem ter vontade de escrever aqui no blog... Me preocupei por que o blog é meu diário, meu colo e tem me feito muito bem...
As notícias de gravidez acho que estou tão calejada, tão cansada que não me machuca mais tanto quanto ser chamada de dramática, entre outras.......
É sempre a mesma coisa, as pessoas não entendem o que a gente sente.
Eu sei que não posso me entregar, desanimar mas falar é tão fácil...
Eu não sinto isso por que eu quero, eu não faço forças pra sentir isso, pelo contrário, eu luto tanto pra não cair, e quando caio sempre me levanto novamente. Mas cada vez está ficando mais difícil, e eu não preciso de pessoas que fiquem me dizendo que vai ficar tudo bem, que vai dar tudo certo. Eu preciso de pessoas que me escutem e tenham paciência com isso. Não precisa nem falar nada.
Algumas pessoas são mais fortes que as outras. Conseguem enfrentar o que quer que seja mais firme, mais cabeça em pé.
Como não vou pensar no que eu mais quero na vida? Como vou ouvir comentários dolorosos das pessoas sem isso me ferir?
Eu vou levando minha vida mas como eu já disse, sempre falta um pedacinho, e até ele chegar, eu não vou estar completa. Alguns dias estou melhor, outros pior. E o que eu queria é que somente tentassem entender que eu sofro, que eu não sinto isso, não falo isso, pra que sintam pena de mim. Jamais!
Por isso eu prometi pra mim mesma que desse assunto não falarei mais com ninguém.
Falo com meu marido, com uma amiga do blog, com vocês leitoras, que são as pessoas que me entendem e me ouvem. Mas com o restante não abrirei mais meu coração sobre esse assunto pra não me ferir ainda mais.
Tenho uma amiga que fiz no blog que está me ajudando muito, ela me ouve, me entende, é disso que preciso. Ela me fez ver o que já me aconteceu de bom , mas nem por isso deixa de me ouvir, de dizer que me entende. E eu sei que é sincero somente por suas palavras. Quando ela ler isso saberá que é pra ela. Ela não é anônima, mas aqui vou deixá-la assim.
Os posts que fiz sobre a minha infância (pretendo fazer mais) pra mim me fizeram muito bem relembrar. Mesmo que sejam ‘detalhes mais simples’ foi uma época muito boa, ao falar de coisas boas lembrei disso e isso me fez bem.

Até mais.
Beijos.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Férias de Infância

Oi Meninas!

Ontem de tarde fiz um passeio com meus pais, fui visitar minha tia, irmã do meu pai, fazia tempo que eu não via ela. E a filha dela que além de minha prima é minha madrinha (ou dinda que é como chamam por aqui). Pretendo ir visitá-las mais seguido.
Ir lá me inspirou a fazer este post para contar as férias que eu passei lá (elas moravam em outra cidade um pouquinho mais longe da minha, agora mora em outra cidade mas bem perto da minha).

Quando eu era pequena, não lembro com que idade passei as férias lá a primeira vez, mas seria a primeira vez em que eu iria dormir fora de casa... tipo eu dormia de vez em quando na casa da minha melhor amiga, mas ela morava quase em frente a minha casa e não em outra cidade...
Meus pais achavam que eu não ia querer ficar lá, que ia passar a noite chorando pra vim embora, mas que nada, mal sabiam eles que a partir daquele dia eu ia passar praticamente quase todo o período de férias lá rsrs. Passei muitas férias lá.
Lembro da primeira vez em que fui no shopping (aqui na minha cidade até hoje não tem, e acho que nunca vai ter rsrs), nesse dia fui no cinema pela primeira vez, não lembro qual era o nome do filme que eu e minha dinda olhamos, só sei que era de um gorila e ele morria no final, eu muito sensível desde sempre, ainda mais quando envolve animais, chorei litros... minha dinda tentando me acalmar comprou um sorvete do mac donald’s (sempre foi bom huumm!).
Nós três jogávamos muito pife, nossa era um vício!
Minha tia sempre fazia coisas boas pra gente comer, pão caseiro então nem se fala, que delícia! E ela me empanturrava com medo que eu ia ficar com muita fome rsrs.
Minha tia dormia no colchão que ela colocava no chão ao lado da ‘camona’ (cama de casal) dela, que ela liberava pra mim dormir. Uma noite levantei da cama achando que estava em casa, mas caí num minúsculo espaço entre a cama e o guarda roupa rsrs. Deu um barulhão no assoalho de madeira. Imaginem a cena. Risos eternos.
Outro fato engraçado foi quando minha tia fez canjica e na primeira prova eu achei que era bom, aí ela encheu uma caneca, mas aí eu percebi que eu não tinha gostado. Fui pé por pé e atirei tudo fora no terreno baldio que tinha do lado da casa dela, quase que foi a caneca junto ainda rs. Aí fingi que tinha comido tudo e ela perguntou se eu queria mais, eu disse: não, estou satisfeita, não cabe mais. Imagina a situação rsrs, fiquei com pena de dizer que não tinha gostado porque ela estava sempre fazendo de tudo pra agradar.
Era um tempinho bom que não volta mais...
----------------------------------------------------------------------------------------- 
Aproveitando o post para contar-lhes um fato inédito que aconteceu comigo.
Pela primeira vez na minha vida, minha M veio certinha, reguladinha, ao natural...
Só vinha certa quando eu tomava o AC, na época em que eu estava fazendo tratamento pra engravidar, por causa da SOP, mesmo tomando o indutor da menstruação ela demoraaavaa pra descer. Realmente parece brincadeira comigo né?

Beijos, até mais.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

De Repente Mais Um Natal Chegando...

Olá Meninas!

Mais um Natal se aproximando, e mais uma vez o tão sonhado presente está longe de chegar... Vou esperando, o que me resta é aguardar, mas ás vezes bate aquela tristeza que vocês sabem bem como é, ás vezes estou um pouco melhor, mas sempre faltando um pedacinho.
Na sexta-feira já montei minha árvore de natal ou pinheirinho rs. Mas sempre sonhando com o dia em que o meu bebê vai estar ao menos na minha barriga participando disso. Ainda não comprei presépio, prometi que irei comprar um bem bonito quando eu tiver grávida, e por que não disponho de muito espaço agora também rs. Eis aí minha árvore:


                                         Que tal, gostaram?

Desde que casei, passo com meus pais a noite da véspera e no dia 25 almoçamos nos meus sogros.
Me lembro dos Natais em família de alguns anos atrás, as irmãs e irmão da minha mãe iam todos na casa da minha avó, no Ano Novo também, era uma festança só. Mas com o passar dos anos foi se perdendo isso parece, um vai pra praia com a família, outro passa com a filha e netos, outro faz a ceia em casa com a família e mais tarde dá uma passada lá... Sei que tudo vai mudando com o tempo, isso é fato, mas por que perder esse vínculo tão importante? Por que não reunir todas as famílias juntas? Não sei...

.....................................................................................

Outro episódio referente ao Natal que lembrei foi quando eu era bem pequena, eu ainda chupava bico (chupeta), e queria muito uma boneca que abrisse e fechasse os olhinhos. A mãe disse que pra mim ganhar teria que entregar o bico para o Papai Noel. Eu disse que entregaria.
Na véspera do Natal estávamos todos reunidos na cada da minha avó. Eu tinha um pouco de medo do Papai Noel. De repente a mãe disse que ia ter que sair pra buscar algo. Eu era bem pequena, mas lembro que gelei, por que eu pensei, e se o Papai Noel vim e a mãe não estiver aqui? Rsrs.
Não demorou muito e tocaram a campainha. Medo. Mandaram eu ir abrir a porta! Aff... E era o dito cujo do Papai Noel. A primeira coisa que fiz foi entregar o bico pra ele. Ganhei a tão sonhada boneca que mexia os olhinhos! Faceira que só eu!
A mãe disse que durante alguns dias, dormindo eu ficava tateando a cama procurando o bico, e o pai queria comprar outro porque ficava com pena de mim rsrs. Mas a mãe não deixou ele comprar. Fez certo.
Claro que anos depois fiquei sabendo que a mãe era o Papai Noel rsrs!!
Não me lembro com que idade eu fiquei sabendo que Papai Noel e Coelhinho da Páscoa não existem.
Só sei que, ô tempinho bom aquele em que eu era criança, nossa! Ás vezes dá vontade de voltar um pouquinho no tempo e aproveitar mais um pouco daquela época rs.

....................................................................................

E vocês, qual foi a experiência do Natal que mais as marcou??

Beijos e boa semana!

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Última despedida ao meu bebê

Olá!

Fiz este post para contar-lhes um fato que não tinha contado à ninguém ainda, na semana passada que contei pro meu marido. Guardei isso comigo desde o dia em que fiz a curetagem, quando me despedi do meu bebezinho. Vou contar como foi esse dia: Meus pais me levaram pro hospital de manhã cedo, fiquei no quarto, a enfermeira trouxe a camisola ‘aquela’, me troquei e fiquei esperando a tal hora. Angustiada, com medo, nervosa. Não via a hora daquilo acabar. Me levaram para aquela sala cheia de instrumentos cirúrgicos, aquela baita luz em cima de onde eu estava deitada. Tenso. Minha GO chegou e conversou comigo, como sempre muito atenciosa. O anestesista aplicou a dose e disse que logo eu não ia sentir mais nada. Lembro que sorri pra ele e acho que acenei com a cabeça mostrando que tinha entendido. Apaguei rapidamente.
Acordei no quarto. Estava meio sonolenta ainda por causa da anestesia, apesar da mãe ter me dito que quando me trouxeram, eu levantei sozinha da maca e fui para a cama. Não lembro de nada.
Porém, um fato está na minha cabeça até hoje, e eu não sei se foi real ou se foi sonho. Eu estava deitada e uma das freiras do hospital abriu a porta do quarto e falou alguma coisa que eu não entendi, apenas lembro que levantei minha cabeça do travesseiro e falei aos prantos pra ela que agora sim tinham levado o meu bebê embora, que agora eu não tinha mais ele comigo...
Aí a mãe falou alguma coisa e a freira sorriu e fechou a porta.
Até hoje não perguntei pra mãe se foi real ou não. Não sei, ainda não tive coragem, não sei por que. Por enquanto só falei isso pro meu marido, chorei... Doeu...
Sempre vai doer essa perda. Com o tempo vai amenizando pelo que dizem, mas eu nunca vou esquecer, sempre vai doer.
No mesmo dia em que fiz esse processo, o meu sogro passou muito mal e foi parar no hospital. E tudo isso aconteceu no dia do aniversário do meu marido. Ele já não era muito de fazer festa e comemorar, mas depois desse dia, ele disse com todas as letras que nunca mais vai comemorar aniversário nenhum. Realmente foi um período tenso demais.
No processo da curetagem em si, eu passei muito bem. Não senti dor nenhuma. E depois tive muito pouco sangramento. Fiquei apreensiva pois se eu tivesse esperado mais para fazer, poderia ter me dado uma baita infecção. Mas graças a Deus ocorreu tudo bem.

E vocês como estão?
Sabem que precisando estou aqui.

Beijos.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Conselho de Hoje: Faça um Blog!

Olá Minhas Leitoras!

Será que vocês ainda estão me acompanhando??
Talvez não tenha graça saber do meu dia a dia sem emoção, sem novidade, não é?
Mas como já disse, minha intenção é contar meu dia a dia, o que acontece comigo, essa jornada de tentante, a espera da minha gravidez, e o mais importante de tudo, tentar ajudar outras tantas mulheres que estão passando pela mesma situação.
Quem passa por isso sabe o quanto é difícil e são raras as pessoas que nos ajudam, que deixam a nossa caminhada um pouco menos sofrida...
Confesso que antes de criar o blog, eu fiquei apreensiva e achava que não ia conseguir abrir meu coração assim. Não sabia como funcionavam os blogs, achava que não ia conseguir escrever nada com nada. Pode ser que eu não saiba escrever maravilhosamente bem, mas estou conseguindo colocar pra fora o que está no meu coração, o que está me angustiando. Eu carregava tudo fechado no meu coração e desabafar está me fazendo muito bem.
Encontrei pessoas dispostas a me ouvir, a conversar. Mas o que eu mais precisava e preciso, é pessoas que me escutem. Apenas isso. Tão simples. E através do blog estou encontrando. Parece exagero, mas é muito difícil encontrar pessoas assim, e chega a ser irônico que as pessoas que estão mais perto da gente são as que menos prestam atenção nas nossas necessidades. Exceto o meu marido, ele é tudo na minha vida!!!
E como uma amiga do blog disse: “ Algumas mulheres quando engravidam, depois parece que sofrem de amnésia, esquecem de tudo que passaram. ” E é exatamente assim. Tudo bem que queiram esquecer essa fase ruim que passaram, mas por que ao invés disso, não ajudar outras mulheres que estão passando por isso?
Confesso também que não estou por dentro de alguns assuntos que vejo em outros blogs, tem muitas palavras que não sei o significado, e siglas, muitas não faço idéia do que significa. É muita informação pra minha cabeça rs. Nem referente à minha questão e a do meu marido eu não sei muita coisa, e por escolha minha. Sei o que preciso para este momento.
Quando nós formos fazer a FIV faremos o que for preciso e pronto. Não adianta eu querer saber tudo agora, afinal cada caso é um caso, o organismo de cada pessoa é diferente de outra, então o que funcionou ou não pra fulano, não quer dizer que vai funcionar ou não pra mim.
Sou uma pessoa muito ansiosa e sofro demais por antecipação, então aos poucos vou tentando mudar isto...

Aproveitando o post, quero contar um fato que aconteceu na semana passada: uma conhecida me mandou um whats, querendo marcar da gente se ver, que está com saudades e etc.... fiquei ‘boiando’, faz tempo que a gente não tinha mais se falado. Ela está grávida. Enrolei, disse que quando desse a gente marcava algo. Menti. Não vou marcar nada. Ando na rua cuidando os passos, pois uma hora ou outra a gente vai acabar se encontrando, é fato. Provavelmente ela nem deve lembrar que um dia eu tive grávida, que eu perdi, e se lembrar, nem imagina o quanto ainda dói. É perigo ainda quando me encontrar, perguntar se eu ainda não quis tentar de novo e blá blá blá, a mesma chafurda de sempre.
Ás vezes dá vontade de esfregar tudo que já postei no blog na cara de todo mundo, fazer engolir todos os meus desabafos, pra ver se assim as pessoas se tocam e sossegam um pouco rs.

Mas é isso então meninas, espero que continuem me acompanhando, pra mim é muito importante!

Beijinhos...

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Amizades de Verdade

Olá Leitoras!

O assunto que eu gostaria de trazer até o blog hoje, é amizade.
Se me perguntarem quantas amigas eu tenho, lhes direi que poucas, muito poucas. Conhecidas tenho bastante, mas amigas mesmo, poucas. Amigas virtuais tenho duas, uma há mais de um ano e uma que conheci recentemente através do blog, mas ambas conheci por causa da questão tentantes.
Sempre fui uma pessoa reservada, muito tímida. Fico apreensiva de mostrar o meu jeito, como sou. Parece que algo me trava, tipo um medo de rejeição, não sei. Hoje em dia melhorei muito quanto eu era algum tempo atrás. Eu era um bicho do mato rs. Quem me conhece há mais tempo se surpreende com o quanto mudei e evoluí.
Demoro até me soltar, ficar à vontade para ser eu mesma. Primeiro eu observo, escuto, aí quando estiver pronta vou me soltando aos poucos.
No meu antigo trabalho eu tinha uma colega que eu considerava muito minha amiga. Tinha tanta consideração por ela que já a tinha convidado para ser madrinha do meu bebê. Infelizmente creio que para ela eu não tinha a mesma importância. Não sei o que aconteceu de fato, mas creio que a amizade acabou. Por muitas vezes fui atrás para conversarmos e eu tentar entender o que realmente aconteceu, mas sem sucesso... Ainda estou boiando e bem chateada...
Tive também uma amiga de infância, nos criamos juntas desde bebê, só não estudávamos na mesma escola, por que o resto fazíamos tudo juntas. Quando estávamos entrando na adolescência ela se mudou para outra cidade. Até mantemos contato por carta durante algum tempo, mas as mesmas foram ficando cada vez mais escassas.
Já me decepcionei bastante com amizades, e como sempre costumo dizer, os animais são nossos melhores amigos. Quem tem, quem gosta, entende o que estou falando.
Ás vezes fico pensando, será que o problema é comigo??

Bom, mas me digam, e vocês, tem amizades de verdade, com quem podem contar sempre que precisam?
Como eu estava conversando hoje com uma amiga virtual que fiz no blog, minha intenção além de desabafar aqui, é também ajudar vocês. Se vocês não tem com quem conversar, ninguém lhes entende, ninguém tem paciência para lhes ouvir, saibam que estou aqui para isso. Fiquem à vontade para me enviarem e-mail.  (detalhesmaissimples@hotmail.com)
Como lhes disse anteriormente, está me fazendo muito bem o blog e minha intenção é fazê-lo crescer cada vez mais, e quando digo crescer, é com a participação de vocês!

Beijos.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Como Vocês Estão?

Olá Minhas Queridas Leitoras!

Como vocês estão?

A última ‘novidade’ então:
Creio que até o final do ano estarei desempregada rs. Pois é, a empresa está passando por dificuldades e sobrará pra mim também rs...
Mas pelo que pude perceber, é no geral que está tudo assim meio estagnado. Este ano foi meio estranho...
Eu andava meio desanimada com algumas coisas, mas mesmo assim até encontrar algum outro trabalho, eu não ia sair do atual. Na verdade, o motivo principal pelo meu desânimo e desinteresse vocês já sabem qual é. Acaba atingindo tudo ao meu redor. Não consigo evitar. Espero que um dia essa angústia acabe e que tudo dê certo!
Mudando de assunto, fico pensando, por que as pessoas mais bacanas, que entendem tanto a gente, moram tão longe?? rs...
A cada dia que passa, tenho mais certeza que realmente foi a melhor ideia eu criar o blog. (A idéia do blog foi de uma amiga).
Fico muito feliz quando vocês participam! Continuem me acompanhando tá?
Aceito sugestões de assuntos também, além de falar de mim, do que estou sentindo, podemos conversar sobre algum tema que vocês queiram, ok?
Podem deixar um comentário neste post ou se preferirem me contatar por e-mail.
E como sempre digo, se precisarem conversar e desabafar, vocês sabem que podem me enviar e-mail, responderei o mais breve que puder e assim tentar ajudar.

Bom, por hoje é só pessoal..... Até breve.

Beijos!

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Quero Ser Mamãe Novamente

Fico horas e horas pensando em quando você vai chegar.                
Eu quero de novo pegar o bendito teste com as duas listrinhas e ver que é positivo;
Quero poder novamente contar ao meu marido que ele vai ser papai, ver a felicidade dele, sentir ele fazendo carinho na minha barriga, conversando com você, planejando mil coisas para nós...
Quero poder novamente ir fazer uma ultrassonografia para ver o seu coraçãozinho pulante, e dessa vez, ver o sexo e os órgãos;
Quero poder ver a minha barriga crescendo, saber qual será a sensação quando você se mexer...
Quero poder comprar tudo o que ele(a) tem direito;
Quero poder sentir dores nas costelas e sentir que é o pezinho que está fazendo isto;
Quero poder me sentir incomodada de não conseguir dormir com o tamanho da minha barriga;
Quero poder ver a carinha do presente mais lindo que eu poderia ganhar...
Quero poder dar o primeiro banho morrendo de medo de machucá-lo(a);
Chego a sonhar que estou contigo aninhado(a) no meu colo, você segurando o meu dedo e eu admirando você dormir...
Quero poder te apertar, te cheirar, te beijar, te esmagar e te morder muuiitooo!
Quero poder ver os primeiros dentinhos nascerem;
Quero poder ver você crescendo, aprendendo a caminhar, a falar, e eu e seu Pai te ensinando as coisas;
Quero poder ver você bagunçando tudo pela casa;
Quero poder ouvir “Mamãe, eu te amo!” ;
Quero poder levá-lo(a) para a escola e ouvir o chorinho dele(a) ao entrar no portão, e quero chorar com ele(a) neste momento;
Quero poder ver ele(a) crescer e quando for adolescente querer sair de casa e pedir permissão para chegar mais tarde;
Quero poder ver ele(a) namorando e se casando e quero mais do que tudo que ele(a) seja muito feliz!!!

Pode ter certeza Meu Filho(a) que a Mamãe e o Papai sonham demais com você, já te amam desde os nossos sonhos, te desejam há muito tempo e estão ansiosos demais esperando a hora em que você vai chegar.
Somente a sua vinda vai nos tornar completos e abrandar o vazio e a tristeza que sentimos.

                                                                        Com carinho, Sua Mamãe.